Interação Insetos - planta


Objetivos Instrucionais

 Ao final desta aula o aluno será capaz de:

  • Listar e explicar ao seu professor as possíveis interações entre insetos e plantas, determinadas em função do benefício (positivo ou negativo) que cada um tira desta interação;

  • Explicar ao seu colega o termo "coevolução" no contexto das interações inseto-planta;

  • Explicar porque a defesa química de plantas contra insetos é exercida por substâncias secundárias e não por substâncias primárias

  • Listar, caracterizar e exemplicar (ordens de insetos) as formas de herbivoria;

  • Explicar ao seu professor porque os insetos são importantes para a manutenção da diversidade de espécies de plantas.


Introdução às interações ecológicas

 

Todos os organismos ou conjunto de organismos (populações) que compartilham de um mesmo local, no tempo e no espaço, estão sujeitos a interagirem entre si. Esta interação pode ocorrer caso eles tenham recursos (comida, bebida, etc) ou condições (clima, inimigos naturais, etc) em comum ou quando um é o recurso ou condição do outro.

Se existe interação, esta pode ser determinada em função do benefício (positivo ou negativo) que cada um tira desta interação. Sendo assim podemos colocar em um gráfico as interações possíveis.


Interações insetos e plantas

Entre insetos e plantas são possíveis todas estas interações, pelo menos em teoria, isto porque competição entre insetos e plantas, apesar de teoricamente possível, é muito pouco provável de ser encontrada na natureza. Podemos então fazer um fluxograma da possíveis interações entre insetos e plantas com suas variações.

 

Interações coevolutivas entre insetos e plantas

Interações recíprocas durante o tempo de evolução entre insetos fitófagos e suas respectivas fontes de alimentação vegetal, ou insetos polinizadores e as plantas por eles polinizadas, têm sido descritas como coevolução. Esse termo foi cunhado e amplamente definido por Ehrlich and Raven em 1964 a partir de um estudo de borboletas e suas plantas hospedeiras.

Várias maneiras de coevolução são agora reconhecidas, diferenciadas pela ênfase colocada na especificidade e reciprocidade das interações (Gullan 1992). Este processo pode se dar de duas formas básicas.


Coevolução específica

Refere-se à evolução de uma característica de uma determinada espécie (como a habilidade de um inseto de tornar um veneno não nocivo a si próprio) em resposta a uma característica de uma outra espécie (como a elaboração de um veneno pela planta), que envolveu originalmente em resposta à característica da primeira espécie em questão (como a preferência alimentar do inseto por aquela planta).


Coevolução difusa

O processo em si é basicamente o mesmo da coevolução específica, porém, descreve mudança evolutiva recíproca entre grupos, não entre pares, de espécies. Aqui, o critério de especificidade é amplo de forma que uma determinada característica em uma ou mais espécies (de plantas que florescem, por exemplo) pode evoluir em resposta a uma característica ou conjunto delas em várias outras espécies (como, por exemplo, em vários insetos polinizadores diferentes e sem relação entre si).


Herbivoria (Fitofagia)

Formas de Herbivoria

Consumo foliar (alimentação externa)


  • Mais visível do que ataque por sugadores
  • Outras ordens que se alimentam de folhas são: Orthoptera, Hymenoptera, Phasmatodea e Psocoptera
Minas e brocas (alimentação interna)
  • Minadores são insetos que residem e se alimentam da epiderme da planta. Podem ser: minadores de folhas, alojando entre as duas epidermes da folha e minadores de caules, alojando nas camadas superficiais dos caules. Somente 4 ordens de holometábolos são minadores: Diptera, Lepidoptera, Coleoptera e Hymenoptera.
  • Broqueadores são insetos que residem e se alimentam em camadas profundas da planta, dentro dos tecidos. As brocas podem se alimentar de qualquer parte da planta, estando o material vivo ou morto. As partes mais atacadas são: troncos que são utilizados por Coleoptera, Lepidoptera e Hymenoptera; frutos que são mais utilizados por Diptera, Lepidoptera e Coleoptera; sementes utilizadas basicamente por Coleoptera e Lepidoptera.

Sugadores de seiva (alimentação interna)

  • É uma forma de alimentação inconspícua, quando comparadas com o consumo foliar. A alimentação se dá pela sucção do conteúdo do floema (seiva elaborada).
  • Pode provocar dano direto através do retardamento do crescimento geral da planta e dano indireto através da transmissão de viroses ou injeção de saliva tóxica.
  • A grande maioria do sugadores são insetos da Ordem Hemiptera (Homoptera e Hemiptera) que se alimentam através de estiletes e insetos da ordem Thysanoptera que se alimentam via estiletes e via raspagem da epiderme.
Galhadores (alimentação interna)
  • São os insetos que emitem um estímulo químico às células de tecidos vegetais, fazendo com que estes tecidos se desenvolvam patologicamente. Este desenvolvimento pode ser um aumento do tamanho das células causando uma hipertrofia celular ou um aumento do número de células causando uma hiperplasia. Esta transformação do tecido vegetal proporciona um local adequado ao desenvolvimento do inseto.

As chamadas plantas carnívoras são plantas que se alimentam de insetos. Mesmo estas plantas sendo predadoras de insetos, existem casos em que insetos se tornam comensais destas plantas. É o caso das plantas do gênero Nephentes e mosquitos. Estas plantas possuem em seu interior um líquido digestivo utilizado na digestão de insetos que são atraídos pelo seu odor e caem, no entanto alguns dípteros se adaptaram a ovipositar neste líquido e sua prole pode então se desenvolver livre de inimigos.

Mutualismo entre Insetos e Plantas

Reprodução da planta / alimento para o inseto.

Insetos e plantas estão intimamente associados. Alguns insetos são vitalmente importantes para muitas plantas, assistindo na sua reprodução, através da polinização, ou na sua dispersão espalhando suas sementes.


Proteção da planta / alimento e abrigo para o inseto

As formigas se beneficiam de associações com mirmecófitas (plantas que se associam com formigas) que provêm abrigo para seus ninhos e recursos alimentícios facilmente disponíveis. O alimento vêm diretamente da planta em forma de corpos alimentícios ou nectários extraflorais, ou indiretamente via Homópteros que vivem dentro das domácias. As plantas se beneficiam da proteção dada pela formiga que defendendo seu território mantém a planta livre de herbívoros.

Last modified: Sunday, 10 June 2012, 5:10 AM